Release


Nas margens do horizonte

O que faz a vida ser mais interessante é o inesperado, o não saber. E a música tem muito disso. Um mar de sentimentos e desconcertos, dúvidas e acertos... A vida, enfim. O som límpido da pureza e a energia insistente são distâncias que se aproximam, no disperso próximo encontro de cordas, de vozes e aço, no ritmo incansável de uma bateria nervosa. VOLAR é o símbolo de que as coisas acontecem por que precisam acontecer.

A banda VOLAR surge da sincronia sintomática de três sujeitos: Wagner Müller, no baixo; Juliano Ebeling, na bateria; Jonas Schommer, na guitarra e vocais. Ressurge por sua entrega no cenário e em sua atuação, ensaiada ou não. Melodias góticas, incontroláveis refluxos de punk, indie e psicodélico. Contradições harmonizadas no palco, como uma expressão de liberdade e prazer. O som não descansa e perdura ressoando em nossas veias, planando o horizonte dos nossos sentidos.

O artista descansa na margem, pois esse é seu lugar predileto. Nem por isso ele é ausente ou aquém. A arte musical se coloca como alternativa e soa como uma justificativa para a interdependência, para a alteridade. Somos mais fortes juntos. Somos mais que nossa soma. Somos uma intervenção. Um sonho desperto. Um voo inquieto, que você também pode voar.